Loading...
26 de maio de 2014

Empresas que integram bem finanças e RH têm melhores resultados

relacionamento-no-trabalho

Uma pesquisa global da consultoria Ernst & Youn (EY) mostrou que uma boa relação entre CFO’s (diretor financeiro)  e os diretores de recursos humanos reflete na produtividade da empresa.

A pesquisa relatou que empresas que possuem esse tipo de relacionamento colaborativo nos últimos três anos apresentaram melhores resultado de Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

O estudo com 550 CFOs e diretores de RH descobriu que 41% das empresas com bom relacionamento apresentaram um crescimento de Ebitda superior a 10% comparado ao ano passado. E apenas 10% das empresas que não possuem esse tipo se interação conseguiram obter um resultado semelhante.

Além disso, 44% das melhores essa parceria registraram um progresso significativo no engajamento dos empregados no mesmo período, contra 9% das demais. Com relação à percepção de ganho em produtividade, a diferença foi de 43% contra 10%.

Os principais fatores que a EY identificou que contribuíram para essa aproximação foram:

– A escassez de talentos, este acontecimento fez com que as companhias percebessem que a importância de entender a relação entre custos e performance.

–  Alto custo trabalhistas, resultou no acompanhamento do gerenciamento dos custos do capital humano.

– O reconhecimento do departamento de RH dentro das empresas. Os diretores começaram a notar que o RH é tão responsável quanto os outros departamentos quando a empresa atinge ou não sua meta.

– A necessidade de manter a organização competitiva. O RH conversa com os CFO’s para elaborar planejamentos  e tomar decisões que asseguram que as estratégias abarquem impactos humanos e monetários.

A busca por eficiência tem feito com que as empresas se movam em direção a um modelo de serviços multifuncional e global, visando ao crescimento em novas regiões.

As empresas com melhores resultados operacionais mostraram vários pontos em comum. Como por exemplo, elas despendem 50% mais tempo na relação entre CFO e diretor de RH. E 51% das companhias dizem que seu CFO está fortemente envolvido na identificação e no acompanhamento de métricas de RH, ante 10% das outras.

(Edson Valente | Valor)

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.