Alianças Estratégicas-Não é Parceria e sim um bom Negócio!

Alianças Estratégicas-Não é Parceria e sim um bom Negócio!

As organizações da era capitalista sempre se caracterizaram por seu dinamismo e sua capacidade de adaptação às circunstâncias, características de fundamental importância para a própria sobrevivência das organizações em mercados cada vez mais competitivos.
Nesse sentido, diversas transformações e inovações têm ocorrido com frequência cada vez maior, sendo importante frisar que organizações com pouca flexibilidade para adaptações a novos ambientes dificilmente conseguem manter-se por longo tempo numa economia cada vez mais competitiva e globalizada.
Nas últimas décadas, a tendência de surgimento de alianças visando a uma cooperação entre empresas parece demonstrar a adaptação de muitas empresas a esse novo contexto.
Esse novo tipo de arranjo vem se tornando uma característica cada vez mais predominante no ambiente organizacional, indicando uma possível reação de muitas empresas a uma nova conjuntura caracterizada por grande dinamismo e rápidas transformações tecnológicas, onde se torna fundamental para algumas empresas associarem-se a outras para que possam obter conhecimento e manterem-se a par das novas tecnologias, o que é essencial para que permaneçam competitivas.
Além da facilidade no campo tecnológico, o aspecto de estratégico de olhar não com olhos de ‘parcerias’ por já estar um pouco desgastado por sua utilização descabida e sem critérios nem disciplina. Acreditamos numa visão mais estratégica, ou seja, mais de médio a longo prazo; pois à medida que as empresas entendem que podem e devem compartilhar “Ônus e Bônus”, as condições operacionais ficam mais fáceis de acontecerem. Como já acontecem hoje de empresas que realizam PROSPECÇÕES DE REUNIÕES para outras empresas para realização de visitas para fechamento de negócios.
Das e Teng (2000) afirmam que a proliferação de alianças estratégicas nos últimos anos marcou uma mudança no conceito do que seja natureza da competição, caracterizada cada vez mais por constantes inovações tecnológicas e rápidas inserções em novos mercados. Tais fatores, dentre outros, têm levado à noção de que a chave para o sucesso está em conseguir vantagem colaborativa através da formação de alianças.
Esse novo ambiente organizacional tem possibilitado a criação de arranjos cooperativos que garantem benefícios efetivos às organizações que estejam dispostas a cooperarem entre si. São benefícios que vão de uma significativa redução dos custos de transação até a conquista de melhor posicionamento no mercado por uma ou mesmo a oportunidade de se adquirir determinados conhecimentos organizacionais.
Contractor e Lorange (1988) explicitam sete benefícios trazidos pela formação de uma aliança estratégica:
· redução de riscos, pois a cooperação permite que as empresas dividam os riscos do negócio;
· economia de escala, pela maior eficiência conseguida com o uso mais efetivo dos ativos de uma empresa, o que reduz custos;
· intercâmbio tecnológico com a troca de conhecimento entre as empresas que, assim, conseguem aperfeiçoar sua tecnologia;
· menor concorrência pela conquista de uma determinada posição no mercado, a partir do momento em que as empresas que firmaram a aliança deixam de ser concorrentes e passam a cooperar;
· atuação dentro de fronteiras, a partir da eliminação de barreiras legais, quando se estabelece aliança com uma empresa local;
· facilitação do ingresso de empresas pouco experientes no mercado internacional, pois uma aliança permite a uma empresa adquirir os conhecimentos necessários para atuar em diferentes mercados de forma eficiente; e
· os autores explicitam a vantagem de se estabelecer uma integração quase-vertical por intermédio de uma aliança.
A Integração Vertical ao contrário de integração Horizontal, que ocorre no mesmo estágio de produção, a integração vertical ocorre através da fusão ou aquisição e podemos dizer, ALIANÇAS de empresas em diferentes estágios de produção ou de distribuição dentro da mesma indústria.
No entanto, é preciso ter em vista que a cooperação através da formação de alianças não traz apenas benefícios para as organizações – e nem sempre deve ser encarada como a melhor estratégia – devendo-se analisar cada caso cuidadosamente.
Pois além das diferenças culturais, operacionais e de valores entre empresas, os acordos operacionais a serem assinados deverão levar em consideração, além destes fatores, outros como discordância de propósitos, eventual desinteresse de um ator caso seus indicadores sejam alcançados, possibilidade de comportamentos oportunistas, e o risco de se investir sua imagem e recursos em empresas com pouca credibilidade.
É importante ter em mente que arranjos cooperativos podem abrir excelentes possibilidades estratégicas; mas, antes de efetivar sua formação, deve-se verificar até que ponto as vantagens de se estabelecer tal arranjo superam as desvantagens. Cabe frisar que, apesar dos riscos e das desvantagens inerentes à formação de uma aliança, esta parece ser uma estratégia de fundamental importância para as organizações contemporâneas.
Oportunamente falaremos mais sobre a tendência de formação de alianças estratégicas verificadas nas últimas décadas que podem ser explicadas através da perspectiva de duas abordagens teóricas contemporâneas: a teoria da dependência de recursos e a teoria dos custos de transação.
Até breve.
Geraldo Veiga
Referências
CARDENAS, Leonardo Querido, LOPES, Fernando Dias.; A Formação de Alianças estratégicas: uma análise teórica a partir da toria da depedência de recursos e da teoria dos custos de transação. Cadernos EBAPE.BR. v.4 nº2, Jun 2008. www.ebape.fgv.be/cadernos ebape acessado em 11/10/2016
CONTRATCTOR, F.; LORANGE,P. Why should firms cooperate? The strategy and economics basis for cooperative ventures; In_________:(ED) Cooperative estrategies in international business. MA.Lexington Books, 1998.p.38, 2000.
DAS, TK.:TENG.B.S A.; resource-based theory of strategic alliances. Journal of Manegement. v26.n.1,p.31-61.2000.clima organizacional

Compartilhe isso:

Share on facebook
Share on twitter

Você também vai gostar desses posts

GERALDO VEIGA

Diretor Executivo da Duplo Foco

Diretor Executivo da Duplo Foco
Construiu sua carreira profissional entre São Paulo e Rio de Janeiro, nas áreas de serviços Financeiros, Construção Civil, Bens de Consumo, Telecomunicações e Tecnologia da Informação. Possui mais de 25 anos de atuação empresarial definindo e implantando ações de estratégias empresariais em Marketing e Finanças. Administrador pela Escola Superior de Administração de Negócios (FEI-SP), com MBA em Marketing de Serviços e MBA em Gestão de Negócios TI pela FGV-RJ. É Mestre em Administração de Empresas pelo Ibmec-RJ (MsC) com especialização pela UFRJ- Coope-Crie em Web Intelligence e Analítica de Dados. Atualmente produzindo artigos na linha de pesquisa do campo da gestão e visualização de dados para empresas e novos produtos.

ALCANCE SEUS OBJETIVOS E APRIMORE
A GESTÃO DA SUA EMPRESA
%d blogueiros gostam disto: