Gestão da Informação no contexto corporativo

Gestão da Informação no contexto corporativo

O objetivo deste texto é sensibilizar as empresas para que notem que a gestão da informação é uma ferramenta essencial dentro do ambiente corporativo.
As empresas devem estar atentas, portanto, ao recolhimento, armazenamento e utilização adequada dos recursos informacionais, principalmente para que possam utilizá-los a favor de seus objetivos.

O que a informação vem modificando

A informação está conquistando espaço no ambiente digital  e em empresas de diversos portes. Por exemplo, jornais, revistas eletrônicas e newsletters vêm ganhando cada vez mais força pois são apostas de sites e portais para construir relacionamentos com seus clientes.
Lojas também estão buscando maneiras alternativas de atrair consumidores através de catálogos online, além de FAQ’s  (Frequently Asked Questions) para o esclarecimento de dúvidas.
O recurso informacional possui um valor relativo, por isso já houve pesquisas para tentar não só quantificar como também qualificar seu valor. Moody e Walsh apresentaram um estudo sobre a mensuração do valor da informação: a informação só possui relevância não somente quando existe, como também é devidamente acessada pelos colaboradores, só para exemplificar.

As sete leis da gestão da informação

Em princípio, os pesquisadores definiram as sete leis para melhorar o entendimento desse ativo intangível, de modo a tornar possível a mensuração de seu valor. São elas:
a) a informação é infinitamente compartilhável;
b) o valor da informação aumenta com o uso;
c) a informação é perecível;
d) o valor da informação aumenta com a acurácia;
e) o valor da informação aumenta quando combinada com outra informação;
f) mais informação não é necessariamente melhor;
g) a informação não se esgota com o consumo.
Existe um consenso sobre a localização da informação: ou já se encontra dentro de empresa, ou pronta para ser descoberta na internet. Esse consenso nos leva portanto ao aprofundamento dos estudos e o desenvolvimento de metodologias que se possam, assim, aplicar tais informações em prol da empresa detentora.

Gestão da Informação como recurso

 Dentro das empresas a informação é uma classe particular entre os demais recursos. Seu valor se difere de acordo com a pessoa que vai recebe-la, tratá-la e utilizá-la. Ou seja, apesar de ser completamente reutilizável, uma informação pode não ter o mesmo valor para diferentes pessoas, pois depende do que cada pessoa busca e para o quê esta será utilizada. Por isso, independente do porte da empresa, aquele que gerencia a informação deve saber as melhores opções para utilizá-la e assim obter o máximo de aproveitamento.
Toda empresa possui em suas quatro áreas necessidades de otimização de processos, para melhor produtividade. Para melhor entendimento do gerenciamento e do bom acompanhamento, destrinchamos os quatro departamentos.

Marketing

O marketing é um processo onde as necessidades de informação e conhecimento dos usuários são atendidas por meio da troca de informação e serviços dessas organizações. De acordo com Kotler a melhor propaganda é o cliente satisfeito, ou seja, reafirmamos que informações sobre o universo no qual sua empresa se encontra são extremamente relevantes. É válido lembrar que os clientes são a razão da existência das empresas.

Objetivos do Marketing

a) pesquisar e entender as necessidades dos usuários e outros fatores do mercado;
b) selecionar e definir os usuários ou grupos de clientes que os serviços de informação atenderão;
c) definir a oferta, em termos de produtos e elementos associados do marketing mix e fazer isso como referência para o valor potencial que a oferta pode proporcionar ao usuário;
d) oferecer produtos e serviços alinhados às expectativas e interesses dos usuários;
e) assegurar a comunicação e o engajamento com a comunidade usuária;
f) estabelecer o direcionamento estratégico e, assim, fazer planos para dar suporte e continuidade ao engajamento com a comunidade usuária.

Recursos Humanos

Essa é uma área estratégica que deve, portanto, ser parceira de negócios dentro da organização. Infelizmente, ainda existem empresas que não conseguem identificar os reais responsáveis pela gestão de seu capital humano e acabam tratando como custo o que deveria ser visto como ativo.
Os funcionários são o ativo das organizações, pois são eles que dão vida à empresa. Quando têm seu trabalho reconhecido tendem a exibir alto desempenho, por consequência. Porém, ainda há barreiras que impedem o gerenciamento.

Problemas com gerenciamento

Quais são os principais percalços que podem aparecer:
a) líderes que não encaram seu capital humano como ativo, influenciando a cultura da empresa e a atitude de seus gestores;
b) despreparo dos executivos para gerir seu pessoal, não raro servindo de mal exemplo a seus subordinados;
c) posicionamento não estratégico e falta de valorização das áreas de recursos humanos nas empresas;
d) não tratamento desse tema como matéria relevante nos cursos superiores.

Operações

Na área de operações encontramos as ações comerciais, em resumo: as vendas, a administração de vendas, o atendimento e o faturamento. Também é visto o processo de compras, no qual são eleitos os principais fornecedores, o prazo de atendimento, as condições comerciais, os atendimentos específicos de produtos, a matéria prima, a localização, o tempo de entrega e as condições de faturamento.
Já o Processo e a Produção, em seguida, são focados nos produtos e serviços, para que direcionamos os mais diferentes processos com a utilização de indicadores como o tempo, a produtividade etc.

PDCA (Plan, Do, Check, Action)

Usamos como base o Ciclo PDCA: Plan, Do, Check, Action (Planejar, Fazer, Acompanhar e Agir), que é uma ferramenta criada para que direcionemos a empresa pelo melhor caminho possível.
Ele é fundamental, em primeiro lugar, para a análise e melhoria dos processos organizacionais, além da manutenção e melhoria da produção do grupo.
O PDCA é base para outros sistemas de informação como a ISO 9001- Gestão de Qualidade, ISO 14001- Gestão Ambiental, OHSAS – Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional, entre outros.

Finanças

Para aproveitar e otimizar bem essa área, portanto, deve-se entender, em primeiro lugar, o sentido e o significado de finanças, já que correspondem ao conjunto de recursos disponíveis circulantes em espécie que serão usados para que transações e negócios com transferência e circulação de dinheiro sejam feitos.
Sendo assim, é possível perceber que as finanças fazem parte do cotidiano, no controle dos recursos para compras e aquisições.
Podemos associar a administração financeira a uma ferramenta ou técnica utilizada para controlar, assim, da forma mais eficaz possível, a concessão de crédito para clientes. Além disso, o planejamento, a análise de investimentos e os meios viáveis para a obtenção de recursos, feitos para financiar operações e atividades da empresa.
Não podemos esquecer, no entanto, de sempre visar o desenvolvimento, evitando gastos desnecessários, e assim desperdícios. Ou seja, sempre observando os melhores “caminhos” para a condução financeira da empresa.

Indicadores tradicionais

1- Controles Financeiros e a Gestão Empresarial

  • Controles Financeiros
  • Importância dos Controles Financeiros
  • Controle Diário de Caixa
  • Controle Bancário
  • Controle Diário de Vendas
  • Controle de Contas a Receber
  • Controle de Contas a Pagar
  • Controle de Estoques

2- Demonstrativos Financeiros na empresa

  • Demonstrativos Financeiros
  • Importância dos Demonstrativos Financeiros na Gestão da empresa
  • DRE – Demonstrativo de Resultados do Exercício
  • BP – Balanço Patrimonial
  • DFC – Demonstrativo de Fluxo de Caixa

Sendo assim, do que estamos falando?

Depois que apresentamos a quantidade de informações necessárias dentro de uma empresa, em um momento onde se falam de dados e sociedade do conhecimento,  temos como objetivo, portanto, incentivar uma cultura empresarial voltada às informações, que são geradas por elas próprias e recebidas, primeiramente, pelo mercado e, em segundo lugar, pelos seus concorrentes.
A intenção, sendo assim, é sensibilizar as organizações dessa forma para que saibam utilizar o conhecimento já contido em seus processos produtivos. Sendo assim, os processos financeiros, comerciais e de pessoal, com confiança, adicionando novas práticas de gestão de acompanhamento e mensuração de seus resultados.
Precisa de ajuda para conseguir extrair ao máximo as informações que já existem dentro da sua empresa e, dessa forma, otimizar seus resultados? Fale conosco.

Referências:

– AMARAL, Sueli Angélica.  Marketing  da Informação: abordagem inovadora para entender o mercado e o negócio da informação. Ci. Inf., Brasília, DF, v. 40 n. 1, p.85-98, jan./abr., 2011
– BICHUETTI, José Luiz. Gestão de pessoas não é com o RH!, Haward Business Review, http://www.hbrbr.com.br/materia/gestao-de-pessoas-nao-e-com-o-rh, Acessado em 10/03/2014.
–  KOTLER, Philip. Administração de marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2000. 764p.
–  MC GEE, J. V.; PRUSAK, L. Gestão estratégica da informação. Rio de Janeiro: Campus, 1994.
–  MOODY, D.; WALSH, P. Measuring the value of information: na asset evaluation approach. European Conference on Information Systems, 1999. Disponível: http://wwwinfo.deis.unical. it/~zumpano/2004005/PSI/lezione2/ValueOfInformation.pdf. Acesso: 6 de maio de 2009.
–  ROWLEY, J. Information marketing. 2nd ed. Hants; Burlington: Ashgate Publishing Limited, 2006.

Compartilhe isso:

Share on facebook
Share on twitter

Você também vai gostar desses posts

GERALDO VEIGA

Diretor Executivo da Duplo Foco

Diretor Executivo da Duplo Foco
Construiu sua carreira profissional entre São Paulo e Rio de Janeiro, nas áreas de serviços Financeiros, Construção Civil, Bens de Consumo, Telecomunicações e Tecnologia da Informação. Possui mais de 25 anos de atuação empresarial definindo e implantando ações de estratégias empresariais em Marketing e Finanças. Administrador pela Escola Superior de Administração de Negócios (FEI-SP), com MBA em Marketing de Serviços e MBA em Gestão de Negócios TI pela FGV-RJ. É Mestre em Administração de Empresas pelo Ibmec-RJ (MsC) com especialização pela UFRJ- Coope-Crie em Web Intelligence e Analítica de Dados. Atualmente produzindo artigos na linha de pesquisa do campo da gestão e visualização de dados para empresas e novos produtos.

ALCANCE SEUS OBJETIVOS E APRIMORE
A GESTÃO DA SUA EMPRESA
%d blogueiros gostam disto: